Por que me sinto ridiculamente cansado durante a menstruação?

period

Você já se perguntou por que se sente ridiculamente cansado durante a menstruação? Você não é o único. Na verdade, estudos mostram que até 90% das pessoas sentem fadiga durante a menstruação.

Não é apenas uma questão mental: a exaustão é real. Mas quais são as causas exatas desse cansaço avassalador? As alterações hormonais, como níveis mais baixos de estrogênio e progesterona, desempenham um papel importante. Além disso, a resposta inflamatória e as contrações uterinas podem contribuir para a fadiga. Sem mencionar a interrupção do sono causada pelos sintomas menstruais, como cólicas e fluxo intenso.

Neste artigo, veremos os fatores que contribuem para a fadiga menstrual, seu impacto no sono e estratégias para controlá-la. Se você está cansado de se sentir exausto todos os meses, continue lendo para descobrir por que e como você pode combater a fadiga menstrual.

Fatores que contribuem para a fadiga menstrual

Durante a menstruação, vários fatores contribuem para a fadiga menstrual.

As alterações hormonais desempenham um papel importante, à medida que os níveis de estrogênio e progesterona diminuem. A diminuição dos níveis de serotonina também pode afetar seu humor e energia.

Além disso, a resposta inflamatória causada pela ruptura do revestimento uterino e pelas contrações do útero pode causar cólicas, sangramento e exaustão.

As interrupções do sono devido aos sintomas menstruais também contribuem para a fadiga durante a menstruação.

Impacto da fadiga menstrual no sono

A fadiga menstrual pode afetar significativamente o seu sono.

Alterações hormonais durante a menstruação, como níveis mais baixos de estrogênio e progesterona, podem perturbar os padrões de sono.

Pesquisas estimam que até 71% das pessoas que menstruam apresentam distúrbios do sono, incluindo insônia e despertar durante a noite.

Esta correlação entre sono perturbado e sensação de letargia pode ser atribuída às perturbações emocionais e físicas experimentadas durante a menstruação, bem como ao fluxo intenso e às fortes dores menstruais que agravam os distúrbios do sono.

Ligação entre fadiga menstrual e problemas de saúde

A fadiga excessiva durante a menstruação pode indicar uma ligação potencial entre a fadiga menstrual e problemas de saúde subjacentes. A anemia causada por sangramento excessivo pode piorar os sintomas de fadiga, enquanto as alterações hormonais durante o ciclo menstrual podem piorar a fadiga em pessoas com ansiedade ou depressão.

Transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM), endometriose e síndrome dos ovários policísticos (SOP) também estão associados à baixa energia.

Se a fadiga menstrual estiver tendo um impacto significativo na sua vida diária, é importante consultar um profissional de saúde para avaliação e tratamento adequados.

Estratégias para controlar a fadiga menstrual

Para gerir eficazmente a fadiga menstrual, é importante implementar estratégias que abordem as causas subjacentes e promovam o bem-estar geral.

Identifique e trate outros sintomas que contribuem para a falta de energia. Verifique os níveis de ferro e ajuste sua dieta ou tome suplementos, se necessário.

Trate cólicas e dores pélvicas com AINEs ou terapia térmica.

Pratique bons hábitos de sono e faça exercícios regularmente.

Consulte um médico se a fadiga estiver tendo um impacto significativo na sua vida diária.

Consulte um médico em caso de fadiga severa

Se a fadiga intensa durante a menstruação persistir apesar da implementação de estratégias de autocuidado, pode ser necessário consultar um médico. Consultar um prestador de cuidados primários ou um obstetra-ginecologista pode ajudar a determinar a causa subjacente da sua fadiga e desenvolver um plano de tratamento apropriado.

Eles podem avaliar seus sintomas, discutir o momento e a gravidade de sua fadiga e explorar possíveis opções de tratamento, como controle hormonal de natalidade, para regular os níveis hormonais e reduzir a fadiga.

Para gerir eficazmente a fadiga menstrual, é essencial priorizar o autocuidado e procurar o apoio dos profissionais de saúde.